17 de fevereiro de 2014

Brasil em todas as finais e domínio francês no Rocky Mountain Rifle Championships 2014

Olympic Shooting Center, estande onde foi disputado o Rocky Mountain Rifle Championships - Foto: Reprodução/ Cassio Rippel
O time olímpico brasileiro de Carabina fez bonito esta semana em Colorado Springs (EUA), onde foi realizado o Rocky Mountain Rifle Championships. Disputada entre os dias 12 e 16, essa foi a 1ª competição internacional da temporada para os atiradores Bruno Heck, Cassio Rippel e Leonardo Moreira, que viajaram acompanhados do técnico da seleção brasileira, o ucraniano Oleg Mikhailov. O Brasil esteve nas finais em todas as provas que disputou.

Bruno Heck, que disputou as três provas do programa, ficou em 6º lugar em duas delas. Na Carabina de Ar, vencida pelo francês Jeremy Monnier (206,9 pontos), Heck saiu da prova com 121,3 pontos. Na Carabina 3 Posições, o vencedor foi o também francês Valerian Sauveplane, 7º nos Jogos de Pequim 2008, que venceu com 462,9 pontos e larga vantagem sobre o seu compatriota, Monnier, que fez 456,7 e terminou em 2º lugar. Com 404,9 pontos na final, Heck garantiu a 6ª posição, depois de se qualificar com 2322 pontos.

Na Carabina Deitado, novo 6º lugar para o Brasil. Qualificado em 4º com 1248,2 pontos, Cassio Rippel fez 123,4 na final e terminou na 6ª colocação. A prova foi vencida por outro integrante do time francês, Guillaume Jenicot, que superou Sauveplane por 0,7 ponto e terminou em 1º com 208,9. Rippel havia disputado também a Carabina 3 Posições e por apenas 4 pontos não foi à final, terminando em 9º lugar com 2300 pontos.

Leonardo Moreira, destaque da seletiva para a 1ª etapa da Copa do Mundo ISSF de Carabina e Pistola, terminou as qualificatórias com 1241,5 e ficou a apenas 0,6 ponto de entrar na final. Leonardo ficou ainda em 10º lugar na Carabina de Ar (1218,1 pontos) e em 11º na Carabina 3 Posições (2292).

O Rocky Mountain Rifle Championships tem grandes diferenciais em relação aos eventos ISSF e, por esse motivo, é tratada como sendo parte do treinamento do time olímpico. O primeiro diferencial é ser disputada em estandes totalmente indoor, o que não é permitido pela ISSF, pois elimina o fator vento. Além disso, são disputadas não uma, mas duas provas qualificatórias, em dias consecutivos, e a classificação é obtida com a soma dos dois resultados. O atirador precisa ser consistente o bastante para fazer dois bons resultados, sob o risco de ficar fora da final. O tiro olímpico brasileiro começou bem a temporada 2014.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...